terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Que tal um julgamento para o "comandante"?

E Fidel, pelo menos oficialmente, foi-se.... e bem tarde. Não vou aqui repetir as milhares de mazelas que o governo desastroso desse tirano causou à população cubana, nem desmentir as lendas sobre a maravilhosa “rede de proteção social” que supostamente existe por lá (segundo dados do integro governo cubano). Essas coisas podem ser encontradas facilmente pela internet. Em termos de justiça o que escrevi no texto Sobre democracia e revoltas contra governos eleitos pode ser aplicado ao “comandante” Fidel e ao seu governo (no caso dele, não teve nem o “mérito” de chegar ao poder pelo voto).

O que eu gostaria de perguntar é: cadê os socialistas, a esquerda em geral, a grande mídia para clamar por um “juiz espanhol” como aquele que tentou levar o ditador Augusto Pinochet à justiça? Ninguém se lembrará dos paredões, mortes de opositores, em número até maior que o feito pela ditadura chilena? Porque Pinochet devia ir a julgamento e pagar pelos crimes durante seu governo e Fidel não?

O que diria um socialista se um juiz americano e mesmo espanhol quisesse levar Fidel aos tribunais pela morte de americanos ou espanhóis como foi o caso do juiz Baltasar Garzón em relação ao governo de Pinochet? Fica no ar a pergunta....

Nenhum comentário: